Pular para o conteúdo

Lei Rouanet: Conheça alguns filmes que foram produzidos com a lei de incentivo à cultura

Escrito por


Uma lei do governo, investimentos de empresas e filmes em exibição

Apesar de muito polêmica, a Lei Rouanet incentivou e ainda fomenta grandes espetáculos, entre shows, peças de teatros e cinema.

A lei foi criada por Sérgio Rouanet, que era secretário Nacional de Cultura em 1991 e sancionada pelo presidente Fernando Collor de Mello. O objetivo da lei é incentivar a cultura por meio da dedução de imposto de renda de empresas ou pessoas físicas. Assim, elas se tornam investidoras de exposições, festivais de músicas, filmes e livros.Lei Rouanet - conheça alguns títulos que foram feitos a partir do incentivo da lei

Lei Rouanet: Conheça alguns filmes que foram produzidos com a lei de incentivo à cultura

 

A Lei Rouanet está em uma possível fase de mudança, devido ao governo do presidente Jair Bolsonaro e a unificação dos ministérios de Cultura, Desenvolvimento Social, Esportes e parte da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), se tornando o Ministério da Cidadania. Por isso, muitas coisas podem ser alteradas na lei, desde formas de participação até como ela vai ser aplicada aos projetos.

Vale destacar que, no cinema, o apoio indireto a projetos é feito por meio da Ancine, a Agência Nacional do Cinema, que regula a fomentação e fiscalização do apoio por meio da Lei Rouanet e lei do Audiovisual.

Conheça a lei, como ela funciona, como os projetos são aprovados e como os recursos são captados

 

É importante entender que a Lei Rouanet é diferente da Lei do Audiovisual. A primeira incentiva a produção de peças teatrais, shows, filmes, documentários, exposições, espetáculos. Já a Lei do Audiovisual, criada em 1993, incentiva a produção da atividade audiovisual, apenas.

As duas leis, ajudaram a retomada do cinema brasileiro, que tinha diminuído com o encerramento da Embrafilme, que era responsável pelo financiamento, co-produção e distribuição dos filmes brasileiros. Esse movimento foi chamado de Cinema da Retomada, que começou com a Lei Rouanet e se ampliou com a lei do audiovisual.

 

Conheça alguns filmes que receberam incentivo da Lei Rouanet

 

A Casa de Areia 

Lei Rouanet - filme "A Casa de Areia" foi produzido pela lei de incentivo

A Casa de Areia é um filme protagonizado por Fernanda Montenegro, Fernanda Torres, Seu Jorge e Ruy Guerra. O filme de 2005, tem direção de Andrucha Waddington e se passa em 1910.

O português Vasco leva sua esposa grávida, Áurea, e a mãe dela, Dona Maria, para viverem em terras prósperas que foram compradas recentemente por ele. O sonho de crescimento vira pesadelo quando eles descobrem que de próspera a terra não tem nada. É um local rodeado de areia e sem sinal de pessoas.

Vasco constrói uma casa de madeira para que eles possam viver por lá, mas devido a um acidente, ele morre, deixando Áurea e Dona Maria sozinhas. Elas encontram Massu, que passa a ajudá-las.

Áurea ainda deseja sair do local, mas apenas quando sua filha nascer, enquanto isso, eles precisam lidar com a instabilidade, já que a areia pode soterrar a casa em que vivem.

 

Quanto custou à lei?

O filme teve aprovação de captar R$ 2,2 milhões de reais pela lei e conseguiu atingir o valor completo.

 

Acquaria

Lei Rouanet - filme "Acquaria" foi produzido pela lei de incentivo

Com direção de Flávia Moraes, o filme Acquaria é protagonizado pelos irmãos Sandy e Júnior. A produção é de 2003 e conta com a participação de Emílio Orciollo Neto e Júlia Lemmertz.

O filme se passa num futuro distante, onde as reservas de água estão poucas, devido as agressões à natureza. Sarah e Kim, dois jovens que vivem em Acquaria, vivem em busca de água e precisam lidar com essa rotina.

Os protagonistas ainda dividem a tela com Igor Rudolf, que faz Guili, e a cachorrinha Wind, que interpreta o cãozinho Mingus.

 

Quanto custou à lei?

A Lei Rouanet aprovou, aproximadamente, R$ 938 mil reais, porém só conseguiram arrecadar cerca de R$ 136 mil.

O filme não teve muito sucessos nos cinemas, levando cerca de 894 mil espectadores, a maioria crianças e adolescentes.

 

Amélia

Lei Rouanet - filme "Amélia" foi produzido pela lei de incentivo

O filme dirigido por Ana Carolina, é inspirado na visita da atriz francesa Sarah Bernhardt ao Brasil, em 1905. A atriz enfrenta uma crise profissional e pessoal, sendo induzida por sua camareira brasileira Amélia, interpretada por Marília Pêra, a apresentar-se no Rio de Janeiro.

Mas quando desembarca na cidade, Sarah é obrigada a conviver com as exóticas irmãs de Amélia.

 

Quanto custou à lei?

Ana Carolina entrou com o pedido de incentivo ao filme em 1993, dois anos depois da criação da lei Rouanet. O projeto só foi autorizado, de forma definitiva, em 1998, e só foi ao ar em 2000.

Foi liberado pela lei cerca de R$ 2,8 milhões, mas só conseguiram cerca de R$ 2,2 milhões.

 

Bicho de 7 Cabeças

Lei Rouanet - filme "Bicho de 7 Cabeças" foi produzido pela lei de incentivo

O filme de 2001 é estrelado por Rodrigo Santoro e Othon Bastos, que interpretam Neto e Wilson, respectivamente. Wilson e Neto possuem um relacionamento de pai e filho complicado, com um vazio entre eles. O pai despreza o mundo em que Neto vive e ele, por sua vez, não consegue ficar perto do pai.

A situação piora quando Wilson envia Neto a um manicômio e ele precisa suportar a ideia de viver em um sistema que devora suas presas.

 

Quanto custou à lei?

A Lei Rouanet aprovou R$ 250 mil e, Lais Bodansky, a diretora, conseguiu recolher o valor total.

 

Carandiru

Lei Rouanet - filme "Carandiru" foi produzido pela lei de incentivo

Inspirado no livro “Estação Carandiru”, do Dr. Drauzio Varella, o filme, que possui direção de Hector Babenco, foi lançado em 2003. Ele trata as histórias ouvidas pelo médico dentro do Carandiru.

Um médico se oferece para realizar um trabalho de prevenção a AIDS no Carandiru, o maior presídio da América Latina. Lá, ele encontra a dura realidade dos presídios, incluindo a superlotação das celas, instalações precárias e a violência.

O médico percebe que, apesar dos problemas, os presos são pessoas comuns e que ainda há solidariedade, organização e vontade de viver.

 

Quanto custou à lei?

A lei aprovou o valor de R$ 3 milhões para o filme, porém apenas R$ 1,8 milhões foram recolhidos. Em uma publicação do portal Estadão em 2003, afirmam que mais de 3,3 milhões de pessoas pagaram para assistir ao filme nos cinemas.

A produção arrecadou um valor aproximado a R$ 22,4 milhões, sendo que foram investidos R$ 12 milhões.

 

Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme

Lei Rouanet - filme "Castelo Rá-Tim-Bum" foi produzido pela lei de incentivo

O filme é baseado no programa infantil Castelo Rá-Tim-Bum e foi lançado em 1999, dirigido por Cao Hamburger.

Nino é um aprendiz de feiticeiro que vive com os tios, Morgana e Victor, há 300 anos. Ele, porém, gostaria de viver uma vida normal como todos os meninos de sua idade.

Nino participa, involuntariamente, de uma trama armada por sua tia Losângela, que deseja roubar o livro de magias de Morgana.

 

Quanto custou à lei?

O filme recebeu aprovação de, aproximadamente, R$ 659 mil. A produção, porém, recolheu um pouco mais de R$ 346 mil.

 

Cazuza – O Tempo Não Para

Lei Rouanet - filme "Cazuza - O Tempo Não Para" foi produzido pela lei de incentivo

Do início da carreira até a morte do cantor, aos 32 anos, em 1990. O filme Cazuza – O Tempo Não Para, conta a história pessoal e profissional de um dos grandes nomes da música brasileira.

Mesmo debilitado pela AIDS, o cantor continuou a carreira, criando e se apresentando e encantando o público.

 

Quanto custou à lei?

Com 3 milhões de espectadores, o filme recolheu quase o valor total da verba aprovada pela lei, faltando apenas R$ 50,50, dos R$ 374 mil reais.

 

Central do Brasil

Lei Rouanet - filme "Central do Brasil" foi produzido pela lei de incentivo

Em 1998, era lançado um dos filmes mais clássicos brasileiros: Central do Brasil.

Mais uma produção com Fernanda Montenegro, o filme conta a história de Dora, que trabalha escrevendo cartas para analfabetos na estação Central do Brasil, no Rio de Janeiro.

Dora costuma não enviar todas as cartas que escreve, guardando algumas consigo, coisas que ela julga inúteis ou fantasiosas. Porém, ela decide ajudar Josué, um garoto cuja mãe morreu em um atropelamento, a encontrar o pai que nunca conheceu, no interior do Nordeste.

 

Quanto custou à lei?

O filme dirigido por Walter Salles, teve aprovação de, aproximadamente, R$ 2,1 milhões, recolhendo apenas R$ 579 mil.

O filme ganhou os prêmios Urso de Ouro (além de Urso de Prata de Melhor Atriz e o Prêmio de Melhor Filme – júri ecumênico), ganhou em Melhor Filme em língua não inglesa no BAFTA, além do Globo de Ouro de 1999.

 

Chatô – O Rei do Brasil

Lei Rouanet - filme "Chatô - O Rei do Brasil" foi produzido pela lei de incentivo

O filme conta a história de Assis Chateaubriand e é baseado no livro homônimo de Fernando Morais.

Assis Chateaubriand é um magnata das comunicações e é estrela principal de um programa de TV, chamado “O Julgamento do Século”, realizado bem no dia de sua morte.

Chateaubriand, também chamado de Chatô, relembra fatos importantes de sua vida, como casamentos, paixões, manipulações de notícias e a ligação conturbada com Getúlio Vargas, que começou quando ele ainda não era presidente.

 

Quanto custou à lei?

A produção, que teve como diretor Guilherme Fontes, recolheu um pouco mais de R$ 5,6 milhões, sendo que o valor aprovado era de R$ 9,5 milhões.

 

Deus é Brasileiro

Lei Rouanet - filme "Deus é Brasileiro" foi produzido pela lei de incentivo

Em 2003, o filme Deus é Brasileiro era lançado no país, sendo protagonizado por Antonio Fagundes, Hugo Carvana e Wagner Moura.

O filme conta a história de Deus, que resolve tirar umas férias de sua rotina estressante, indo descansar em uma estrela distante. Mas ele precisa encontrar um substituto para seu lugar.

Deus vai até o Brasil, e encontra Taoca, um pescador que vê no encontro uma grande chance de se livrar dos problemas pessoais. Os dois juntos vão rodar o Brasil para encontrar um substituto ideal.

 

Quanto custou à lei?

A produção Deus é Brasileiro teve aprovação de recolher R$ 2 milhões, mas conseguiu R$ 1,9.

 

Dois Filhos de Francisco

Lei Rouanet - filme "Dois Filhos de Francisco" foi produzido pela lei de incentivo

A trajetória de Zezé di Camargo e Luciano, e toda a família,é contada no filme de 2005.

A produção retrata a construção da família Camargo, o nascimento dos nove filhos de Francisco e Helena, a ida da família para uma cidade maior.

Francisco é um lavrador que possui o sonho de fazer dois de seus filhos em uma dupla sertaneja. Com muitos problemas enfrentados, o filme retrata desde o primeiro show de Mirosmar e Emival, o começo do sucesso, a morte de um dos irmãos, o casamento de Zezé e o começo real da dupla.

 

Quanto custou à lei?

Foi aprovado pela lei o recolhimento de R$ 255 mil, mas apenas R$ 100 mil foram conseguidos.

O filme foi considerado, na época, a maior bilheteria do país, tendo no primeiro final de semana nos cinemas, cerca de 266 mil pessoas.


Garrincha – Estrela Solitária

Lei Rouanet - filme "Garrinha - Estrela Solitária" foi produzido pela lei de incentivo

Dirigido por Milton Alencar, o filme estreou em 2003.

O filme é baseado no livro de Ruy Castro que conta a história do jogador de futebol Garrincha. André Gonçalves interpreta o jogador, que fez os campos tremerem com seus dribles e jogadas marcantes.

Em contrapartida, Garrincha se entrega ao alcoolismo, um vício que acabou com a sua carreira e sua própria vida.

 

Quanto custou à lei?

A lei Rouanet aprovou R$ 700 mil, mas foram recolhidos R$ 600 mil.

 

Lisbela e o Prisioneiro 

Lei Rouanet - filme "Lisbela e o Prisioneiro" foi produzido pela lei de incentivo

O filme de 2003, dirigido por Guel Arraes, conta a história de Lisbela, uma moça romântica e apaixonada por filmes. Leléu é um conquistador, que depois de muitas aventuras chega à cidade onde Lisbela mora, e os dois se apaixonam.

Mas a moça está noiva, aparece um matador atrás de Leléu, e o pai de Lisbela querendo explicações.

A produção tem Selton Mello, Débora Falabella e Marco Nanini no elenco.

 

Quanto custou à lei?

O filme teve aprovação de R$ 3,1 milhões para recolher, mas só conseguiram R$ 1,1 milhão.

 

O Guarani

Lei Rouanet - filme "O Guarani" foi produzido pela lei de incentivo

Peri é um jovem goitacá que se apaixona por Ceci, uma jovem portuguesa. O romance é proibido e desafia as barreiras da cultura através da devoção e o amor de Peri por Ceci, que fazia tudo para salvar a amada.

Os dois decidem fugir juntos para o meio da floresta, mas são surpreendidos por uma tempestade.

A obra foi baseada na ópera de Carlos Gomes.

 

Quanto custou à lei?

O filme dirigido por Norma Bengel recolheu R$ 2 milhões, sendo que foi autorizado cerca de R$ 2,9.

Em 2007, a Polícia Federal estava investigando a diretora por uma suposta lavagem de dinheiro, evasão de divisas e apropriação indébita. Segundo a PF, Norma comprou um imóvel por R$ 260 mil, mas avaliado em mais de R$ 1 milhão.

A compra foi feita logo após a captação da verba para a produção. O filme foi lançado em 1997, e após dois anos, o apartamento foi vendido para uma empresa sediada no Uruguai, representada por um ex-advogado dela.

Com isso, o Ministério Público Federal entrou com ação, pedindo que ela devolva R$ 4 milhões aos cofres públicos.

 

Olga – O Filme

Lei Rouanet - filme "Olga" foi produzido pela lei de incentivo

Olga é uma jovem judia alemã e militante comunista, que é perseguida pela polícia e foge para Moscou. Lá ela recebe treinamento militar e é encarregada de acompanhar Luís Carlos Prestes de volta ao Brasil.

Durante a viagem, há o planejamento da Intentona Comunista contra o presidente Getúlio Vargas, onde Olga e Prestes se apaixonam. Eles terão de lutar pelo amor, comunismo e pela sobrevivência.

 

Quanto custou à lei?

O filme teve aprovação de R$ 971 mil, mas só conseguiu recolher R$ 650 mil.

A produção recebeu Hors Concours no 32º Festival de Gramado, em 2004. Em seu primeiro final de semana de estreia, o filme levou 385 mil pessoas ao cinema.

 

Tiêta do Agreste

Lei Rouanet - filme "Tiêta do Agreste" foi produzido pela lei de incentivo

O filme é baseado no livro de Jorge Amado, Tieta do Agreste, lançado por volta de 1995, com direção de Carlos Diegues.

Aos 17 anos de idade, Tieta viveu amores que escandalizaram todos e fizeram com que seu pai a expulsasse da cidade. Afastada de sua família e amigos, após 26 anos ela retorna à cidade acompanhada de Leonora, que anuncia como sendo sua enteada.

 

Quanto custou à lei?

O filme teve aprovação de R$ 2 milhões, recolhendo apenas R$ 988 mil.

 

Zuzu Angel

Lei Rouanet - filme "Zuzu Angel" foi produzido pela lei de incentivo

Lançado em 2006, o filme conta com Patrícia Pillar, Daniel de Oliveira e Leandra Leal como protagonistas.

A história se passa nos anos 60, quando a ditadura militar faz o Brasil mergulhar em momentos difíceis. Zuzu Angel é uma estilista de moda, que fica cada vez mais famosa no Brasil e no exterior.

Seu filho Stuart, está inserido na luta armada, combatendo os militares. Em um certo momento, Zuzu recebe uma ligação dizendo que seu filho tinha sido preso pelos militares, porém as forças armadas negam.

Um tempo depois, ela recebe uma carta falando que Stuart tinha sido torturado e morto. Ela então, começa uma batalha para encontrar o corpo do filho e enterrá-lo, tornando-se cada vez mais incômoda para a ditadura.

 

Quanto custou à lei?

Dirigido por Sergio Resende, o filme teve aprovação de recolher R$ 1,5 milhão, conseguindo arrecadar o valor total da verba.

“Zuzu Angel” ganhou o Grande Prêmio Cinema Brasil de Melhor Figurino, além de ter sido indicado nas categorias de Melhor Atriz, Melhor Ator Coadjuvante, Melhor Maquiagem, Melhor Direção de Arte e Melhor Som.

Cerca de 774 mil pessoas foram assistir o filme no cinema.

 

 

*As informações sobre os valores autorizados e recolhidos dos filmes são do site: http://sif.ancine.gov.br/projetosaudiovisuais/

 

Por: Ana Clara Turchetti