Pular para o conteúdo

GAME OF THRONES: Conheça algumas referências que inspiraram a série

Escrito por


Trazemos spoilers, mas muita referência curiosa

GAME OF THRONES: Conheça algumas referências que inspiraram a série

A última temporada de Game Of Thrones chegou! O começo do fim se iniciou no domingo (14 de abril) com a estreia da oitava e última temporada, fazendo cada momento se tornar importante.

Game Of Thrones, ou simplesmente GoT, é conhecida mundialmente e é considerada um dos melhores seriados de fantasia de todos os tempos. Mas o que talvez muitos fãs podem não saber, é que a produção possui muitas inspirações, que vão desde acontecimentos históricos a itens da cultura pop.

Listamos algumas dessas referências, confira.

 

Referências históricas

De acordo como jornal britânico The Guardian, o escritor americano George R. R. Martin, autor dos livros nos quais a série é baseada, nunca negou que os fatos históricos serviram como referência para a construção de GoT.  “Sempre gostei de história, mas uma versão mais popular. Não aquela sobre dados, censos e mudanças culturais, mas aquela centrada em relatos de guerras, intrigas e assassinatos”, disse Martin.

 

Lannister e Stark

A luta entre as famílias Lannister e os Stark foi baseada na Guerra das Rosas entre as famílias Lancaster e York, que disputavam o trono da Inglaterra no século 15.

 

Julgamentos por combate

Na primeira temporada, Tyrion Lannister é acusado de matar Lord Jon Arryn, um dos senhores das regiões do continente de Westeros. Ele, então, recorre ao julgamento por combate.

Ele acaba indicando seu guarda-costas Bronn como seu “campeão”, para que lute em nome de Tyrion na arena de combate. Se Bronn vencesse, o que aconteceu, Tyrion ficaria livre de qualquer culpa.

Na Europa medieval isso realmente acontecia. Era um mecanismo popular para resolver alguns conflitos legais, especialmente quando o juiz não podia chegar a uma decisão final. Os acusados indicavam um combatente para representá-los. O resultado do confronto determinava o ganhador da disputa.

Mas o que difere da realidade é que em GoT alguém sempre termina morto, e de acordo com fatos históricos, ganhava quem obrigasse o adversário a se render.

 

O Casamento Vermelho

A cena chamada “Casamento Vermelho” foi inspirado no “Jantar Negro”, que aconteceu em 1440. Os assessores do rei da Escócia James 2º, que tinha 10 anos na época, convidaram seu rival ao trono, o conde Douglas, que tinha 16 anos, para um jantar no castelo.

Foi oferecido que o conde passasse a noite no castelo com todas as garantias. Após alguns momentos em paz, vários tambores soaram e uma cabeça de javali foi colocada em cima da mesa dos convidados. Após isso, o conde e um irmão foram levados a uma torre e decapitados, mesmo com muitas súplicas do rei para que não fizesse isso.GAME OF THRONES: Conheça algumas referências que inspiraram a série

 

Coroa de Ouro

Ainda na primeira temporada, Viserys Targaryen, o irmão ambicioso de Daenerys, pede a Khal Drogo a “coroa que lhe havia sido prometida” em troca do casamento arranjado com sua irmã, ameaçando-a com uma espada, lembrando que Daenerys estava grávida.

Drogo ordena que Viserys seja preso, enquanto isso, ele derrete algumas peças de ouro em um caldeirão. Depois, Drogo derrama o metal quente sobre a cabeça do cunhado, matando-o.

Uma história semelhante aconteceu com o imperador romano Públio Licínio Valeriano, mas o fato ainda é questionado por alguns historiadores. Após ser capturado no ano 260 pelo rei persa Chapur 1º, ele foi obrigado a engolir ouro derretido, entre outras humilhações e depois foi morto.

 

A famosa muralha

Alguns dos momentos mais complexos de GoT se passam na Muralha, que segundo a descrição no livro, possui extensão de 420 Km e altura de 213 metros. Ele serve para proteger os sete reinos dos chamados selvagens e dos “Outros”, dos “caminhantes brancos”.

A muralha também foi inspirada, mas em uma construção bem menos imponente, mas muito importante para a história: o muro de Adriano. O imperador Adriano mandou erguer a construção, no século 2, para proteger a província romana Britânia, que hoje é Escócia.

George R. R. Martin conheceu o muro em uma viagem ao Reino Unido, nos anos 80. Em entrevista à revista Rolling Stone, o autor disse: “Fiquei parado ali e pensando como seria a vida de um legionário romano que tinha de passar sua vida vendo ao longe aquelas colinas”.

GAME OF THRONES: Conheça algumas referências que inspiraram a série
Muralha de Adriano

 

Personagens e inspirações

Cersei Lannister

O portal History Behind Game of Thrones aponta três referências femininas que teriam inspirado a criação de Cersei Lannister, a rainha de Westeros. Uma delas seria Margarida de Anjou, uma das líderes da Casa Lancaster, uma das figuras mais influentes da Guerra das Rosas (já falado acima). Ela era conhecida como uma mulher manipuladora, arrogante impiedosa e sedenta pelo poder.

Outra inspiração seria Elizabeth Woodville, que era descrita como uma mulher belíssima, com cabelos longos dourados e olhos frios. Ela era matriarca e colocava a família e o poder à frente de tudo, assim como Cersei. Por isso, não era querida pela sociedade e era alvo constante de rumores maldosos.

A terceira inspiração foi Lucrezia Borgia, que teria inspirado Martin por conta dos boatos de que ela tinha um caso com o próprio irmão.

 

Daenerys Targaryen

As semelhanças de Daenerys são com o rei Henrique VII. O rei nasceu na Inglaterra, porém passou boa parte de sua vida exilado na França após seu pai ser morto por inimigos.

Quando adolescente, Henrique voltou ao país de origem e lutou ao lado dos Lancaster na Guerra das Rosas. O rei é tido como o grande responsável por colocar fim à guerra, fazendo com que fosse coroado rei.GAME OF THRONES: Conheça algumas referências que inspiraram a série

 

Joffrey Baratheon

Joffrey é uma versão de Edward de Lancaster, filho do rei Henrique VI e Margareth de Anjou. Segundo histórias, Edward tinha fama de sádico desde criança e ficou conhecido por decapitar seus inimigos.

Ambos morreram aos 17 anos, mas a causa da morte foi diferente. Joffrey foi envenenado, enquanto Edward teria morrido por golpes de espada durante uma batalha.

Outra semelhança era o boato de que Edward não era filho legítimo de Henrique VI, pois o rei era impotente.

 

Fogovivo

Como aconteceu em Game of Thrones, reza a lenda que havia um composto químico capaz de colocar fogo na água. A substância era chamada de “fogo grego” e teria sido criada pelos bizantinos, no Século VII.

Essa receita poderosa foi perdida, mas acredita-se que ela era feita com resina de pinheiro, nafta, cal, enxofre ou salitre. Dizem que o fogo grego foi o responsável por salvar Constantinopla em alguns confrontos, tal como o fogovivo na  vitória de Tyrion durante a Batalha de Blackwater.GAME OF THRONES: Conheça algumas referências que inspiraram a série

 

Seita de Melisandre

George Martin disse que a seita de Melisandre remete ao zoroastrismo, que é considerada a mais antiga religião monoteísta da história. Para eles, o fogo era tido como entidade mística central, capaz de trazer proteção e sabedoria.

 

Senhor dos Anéis

Martin já afirmou que J.R.R. Tolkien, autor da saga de “O Senhor dos Anéis”, foi uma das grandes inspirações em sua forma de escrever e pensar uma história. Quando Martin era criança, ele usava os romances de fantasia como uma forma de fugir da realidade. O seu favorito era “Senhor dos Anéis.

A grande inspiração para as reviravoltas na história foi quando Martin estava lendo Senhor dos Anéis e (lá vem spoiler) Gandalf morre. O autor de “As Crônicas de Gelo e Fogo”, obra que inspira Game of Thrones, ficou impactado com o acontecimento, pois nunca imaginou que um dos destaques da história pudesse morrer.

Tolkien acabou quebrando essa regra, e eu vou amá-lo para sempre por isso. No minuto em que Gandalf é morto, o suspense de tudo que se segue é mil vezes maior, porque agora qualquer um poderá morrer. É claro que isso faz com que se tenha uma profunda vontade de matar personagens em um piscar de olhos”, afirmou Martin.

A primeira morte que mais choca é ainda na primeira temporada de GoT, quando Ned Stark morre. Com isso, toda a história tradicional que poderia ter sido criada na cabeça dos fãs foi por água abaixo.

Há também quem acredite que alguns personagens também sejam inspirações claras de Martin a Senhor dos Anéis. A primeira delas é a presença de personagens chamados Sam, que são importantes nas duas histórias. Samwell Tarly em GoT e Samwise Gangee e, Senhor dos Anéis. GAME OF THRONES: Conheça algumas referências que inspiraram a série

 

Futebol Americano

Martin é um grande fã de futebol americano e diversas postagens em seu blog possuem esse assunto como destaque. O seu time do coração é o New York Giants.

Circulou uma história há algum tempo que Martin tinha feito uma aposta com um blogueiro que era fã do Dallas Cowboys. O time do blogueiro acabou ficando na frente do New York Giants e para pagar a aposta, George Martin teria que inserir alguma referência ao blogueiro nos livros.

Promessa feita, promessa cumprida no quinto livro da história. O nome do blogueiro que fez a aposta era Patrick Saint-Denis e ele foi transformado no cavaleiro chamado Sor Patrek da Montanha do Rei. O símbolo desse cavaleiro era inspirado no símbolo do time Dallas Cowboys.GAME OF THRONES: Conheça algumas referências que inspiraram a série

 

Autores de livros

Diversos personagens e casas são inspirados em pessoas reais e funcionam como uma homenagem de Martin a essas pessoas. A Casa Vance, por exemplo, é uma homenagem a Jack Vance, o autor de ficção científica favorito de Martin.

H.P. Lovecraft, escritor americano que revolucionou a literatura de terror com elementos de fantasia e ficção científica, é uma referência clara em Gelo e Fogo, tanto na cultura como em personagens.

O Deus Afogado e os dizeres a ele associados (“O que está morto não pode morrer, mas se ergue novamente, mais duro e mais forte”) se relacionam com a obra mais famosa de Lovecraft, “O Chamado de Cthulhu”, que inclui uma passagem bastante parecida (“That is not dead which can eternal lie/And with strange aeons even death may die”).

A Casa Peake é uma referência à obra de Mervyn Peake, escritor inglês e autor da trilogia Gormenghast. Lorde Titus Peake faz alusão a Titus Groan, o protagonista, assim como Lorde Gorman Peake.

A última referência que citaremos aqui é de Phyllis Eisenstein, grande e antiga amiga de Martin. Ela também autora de ficção científica e fantasia e foi quem convenceu George a incluir dragões e um pouco de magia em sua série. A homenagem a Phyllis fica clara quando o próprio autor cita a amiga no prefácio de “A Tormenta de Espadas”.GAME OF THRONES: Conheça algumas referências que inspiraram a série

 

Por: Ana Clara Turchetti