Pular para o conteúdo

Fellet com Fritas: Censurado

Escrito por


Fellet com Fritas - Censurado
Foto: Dudu Mazzei

Tem muita conversa de WhatsApp mais voluptuosa que troca de nudes ou que a antiga seção de locadora reservada a maiores de 18.

– Querida, perdão pela demora em responder; estava tomando banho.

– Ah, que pena eu ter perdido esse fenômeno da natureza… Ele devia ser exibido no National Geographic, no quadro “A exuberância dos organismos domésticos”.

Um texto pode seduzir mais que um decote, um timbre másculo, um rosto anguloso ou músculos recém-adquiridos na academia.

A dança é outro segmento artístico que sempre esteve na vanguarda da sedução. No fim do ano passado, uma guia de turismo contou que, antes do surgimento da valsa, as pessoas dançavam a pelo menos meio metro de distância. O novo ritmo aproximou os corpos dançantes e gerou no início, entre os tradicionalistas, enorme preconceito. Imagine o que esses reacionários achariam do rebolado e vocabulário do funk, hein?!

Saindo do genérico rumo ao confessional, dentre os aspectos (publicáveis em horário comercial) do meu companheiro que mais me enfeitiçaram no começo do namoro, destaco a marcha. Sempre que o observava andando entre os colegas de trabalho, seu deslocamento era como o da Guarda Real. E eu, na contramão, ficava era com as pernas bambas.

Nas conversas que arquivo vida afora, relembro amigas que se apaixonaram por um sotaque carioca; pela musicalidade da voz do camarada que conheceram no churrasco da firma; pela tatuagem nas largas costas; pelo olhar de predador durante os carinhos mais acalorados ou pelo e-mail com linguagem de escritório, embora cheio de segundas intenções, que ele mandou tempos depois do primeiro encontro.

– Olá, boa tarde, como está? Não sei se você vai lembrar… Eu me chamo Luciano; a gente bateu um papo em um restaurante no posto 2 da Atlântica. Isso deve ter uns cinco meses aproximadamente. Era fim de tarde e você havia viajado a trabalho. Você pediu Sprite, mas o garçom trouxe Soda já aberta.  Um abraço. No aguardo do seu retorno. Att.:

Por: Carolina Fellet